Se quiseres cultivar a Paz, preserva a Criação

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE BENTO XVI PARA A CELEBRAÇÃO DO DIA MUNDIAL DA PAZ 1 DE JANEIRO DE 2010

SE QUISERES CULTIVAR A PAZ, PRESERVA A CRIAÇÃO

Por ocasião do início do Ano Novo, desejo expressar os mais ardentes votos de paz a todas as comunidades cristãs, aos responsáveis das nações, aos homens e mulheres de boa vontade do mundo inteiro. Para este XLIII Dia Mundial da Paz, escolhi o tema: Se quiseres cultivar a paz, preserva a criação. O respeito pela criação reveste-se de grande importância, designadamente porque «a criação é o princípio e o fundamento de todas as obras de Deus»[1] e a sua salvaguarda torna-se hoje essencial para a convivência pacífica da humanidade. Com efeito, se são numerosos os perigos que ameaçam a paz e o autêntico desenvolvimento humano integral, devido à desumanidade do homem para com o seu semelhante – guerras, conflitos internacionais e regionais, actos terroristas e violações dos direitos humanos –, não são menos preocupantes os perigos que derivam do desleixo, se não mesmo do abuso, em relação à terra e aos bens naturais que Deus nos concedeu. Por isso, é indispensável que a humanidade renove e reforce «aquela aliança entre ser humano e ambiente que deve ser espelho do amor criador de Deus, de Quem provimos e para Quem estamos a caminho».[2]

Veja a seguir o resumo da Mensagem…

Mensagem ao dia 1 de Janeiro 2010, Dia Mundial da Paz, que tem como tema “Se queres cultivar a paz, preserva a criação”.

Em tempos de maior tomada de consciência da responsabilidade de todos e de cada um em relação à natureza criada (pense-se, nestes dias, na Cimeira de Copenhaga), o Santo Padre propõe uma visão cósmica da paz, a concretizar num estado de harmonia entre Deus, a humanidade e a criação. Para o Papa, a degradação ambiental exprime não só uma ruptura do equilíbrio entre a humanidade e a criação, mas também uma deterioração, mais profunda, da união entre a humanidade e Deus. Assim reflectir sobre a crise ecológica significa ao mesmo tempo reflectir sobre uma “crise interior” à criação, crise que interpela directamente o homem, a quem Deus confiou o mandato de “conservar e cultivar” o mundo criado.
 
Nestes anos do seu pontificado, Bento XVI foi desenvolvendo, nesta circunstância do Dia 1 de Janeiro, um certo “itinerário de paz”: antes de mais, em 2006, a paz entendida como dom de Deus na Verdade; em 2007, a paz como fruto do respeito pela pessoa humana; depois, como expressão da comunhão da família humana (2008), chamada a eliminar todas as formas de pobreza (2009). Desta vez, para 2010, o Papa recorda o contexto em que a Humanidade recebe o convite à paz: a criação. Esta temática foi abordada já no passado pelos Papas Paulo VI e sobretudo por João Paulo II, que em 1990 dedicou a Mensagem para o Dia Mundial da Paz ao tema “Paz com Deus criador, paz com toda a criação”. Indo para além dessas expressões anteriores da doutrina social da Igreja, Bento XVI denuncia agora uma autêntica crise ecológica (citamos do número 4 da Mensagem):

“Podemos porventura ficar indiferente (interroga-se o Papa) perante as problemáticas que derivam de fenómenos como as alterações climáticas, a desertificação, a deterioração e perda de produtividade de vastas áreas agrícolas, a poluição dos rios e dos lençóis de água, a perda da biodiversidade, o aumento de calamidades naturais, o desflorestação das áreas equatoriais e tropicais? Como descurar o crescente fenómeno dos chamados «prófugos ambientais», ou seja, daquelas pessoas que, por causa da degradação do ambiente onde vivem, se vêem obrigadas a abandoná-lo – deixando lá muitas vezes também os seus bens – tendo de enfrentar os perigos e as incógnitas de uma deslocação forçada? Como não reagir perante os conflitos, já em acto ou potenciais, relacionados com o acesso aos recursos naturais? Trata-se de um conjunto de questões que têm um impacto profundo no exercício dos direitos humanos, como, por exemplo, o direito à vida, à alimentação, à saúde, ao desenvolvimento”.

Perante estes desafios, Bento XVI abstém-se de propor soluções técnicas, não se intromete nas políticas governamentais, que não são da sua competência. O que faz é, recordando o empenho da Igreja na defesa da terra, da água, do ar – dons do Criador à humanidade, exortar a um reequilíbrio da relação entre o Criador, a humanidade e a criação. Nesta ordem de ideias indica alguns pontos essenciais de um possível caminho para a construção da paz, no respeito da natureza criada.

– Antes de mais, a necessidade de cultivar uma visão não redutiva da natureza e do homem. “Considerar a criação como dom de Deus à humanidade – observa Bento XVI – ajuda-nos a compreender a vocação e o valor do homem” (n. 2). A beleza da criação é um convite permanente a reconhecer o amor do Criador, mas “quando o homem, em vez de desempenhar o seu papel de colaborador, se coloca no lugar de Deus, acaba por provocar a rebelião da natureza” (n. 6). Aqui se situa a perplexidade da Igreja perante uma concepção do ambiente inspirada no ecocentrismo e no biocentrismo: pelo risco de que se eliminem a identidade e o papel superior do homem, favorecendo uma visão igualitarista da dignidade de todos os seres vivos.

– A mensagem pontifícia exorta depois a uma profunda renovação ética e cultural. “As situações de crise, sejam elas de carácter económico, alimentar, ambiental ou social – escreve o Papa – são, em última análise, crises morais”, que “põem em causa o comportamento de cada um de nós, os estilos de vida e os modelos de consumo e de produção actualmente dominantes, muitas vezes insustentáveis”. A crise pode assim ser ocasião de crescimento e de nova projectualidade.

Todos somos responsáveis pelo cuidado da criação. É uma responsabilidade sem fronteiras (11). Fundamental importância assume a educação para a ecologia, sobretudo no âmbito da família (12). Neste contexto, o Papa reconhece o precioso contributo das Organizações não governamentais “que se prodigalizam com determinação e generosidade na difusão de uma responsabilidade ecológica” (11).

– Em todo o caso, especial responsabilidade recai sobre os responsáveis a nível nacional e internacional, aos quais o Santo Padre exorta a “actuar uma profunda revisão do modelo de desenvolvimento, numa perspectiva de largos horizontes, reflectindo por outro lado sobre o sentido da economia e dos seus fins, para corrigir as respectivas disfunções e distorções”.

– Infelizmente – deplora Bento XVI – “há que reconhecer que uma multidão de pessoas, em diversos países e regiões do planeta, experimenta crescentes dificuldades por causa da negligência ou da recusa, da parte de tantos, de exercer um governo responsável no que diz respeito ao ambiente”. “A herança da criação pertence a toda a humanidade”. É um aspecto do destino universal dos bens, sempre sublinhado pelo magistério social da Igreja.

– Ora o actual ritmo de exploração dos recursos naturais põe seriamente em causa a respectiva disponibilidade para as gerações futuras” (n. 7). A crise ecológica revela, neste aspecto, a necessidade de uma solidariedade que se projecte no espaço e no tempo. Existe uma responsabilidade das gerações presentes, em relação às futuras: aquilo que se pode chamar uma solidariedade inter-geracional, sobretudo nas relações entre os países em vias de desenvolvimento e os já altamente desenvolvidos, embora sem alimentar visões facciosas que tendam a radicalizar algumas responsabilidades em detrimento de outras. Observa Bento XVI: “é importante reconhecer, entre as causas da actual crise ecológica, a responsabilidade histórica dos países industrializados. Mas os países menos desenvolvidos, em particular os emergentes, não se encontram isentos de responsabilidades sobre a criação. Todos têm o dever de adoptar gradualmente medidas e políticas ambientais eficazes” (n. 8).

– Finalmente, o Papa recorda uma questão fundamental que a comunidade internacional está chamada a enfrentar: a dos recursos energéticos. Há que identificar estratégias susceptíveis de serem partilhadas e apoiadas para satisfazer as necessidades energéticas. Há que promover a busca e aplicação de energias de menor impacto ambiental e a redistribuição planetária dos recursos energéticos.

A mensagem papal para 1 de Janeiro 2010 conclui com um apelo à esperança, que não perca de vista a capacidade da inteligência humana e o sentido da sua dignidade, adoptando uma posição realista mas não catastrófica da crise ecológica. “Proteger o ambiente natural para construir um mundo de paz é dever de todos. Trata-se de um desafio urgente que se há-de enfrentar com empenho renovado e concorde, como uma oportunidade providencial para entregar às novas gerações a perspectiva de um futuro melhor para todos” (14).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: